quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Memórias de Braga: Pintor Porto Maia


Braga + recorda pintor bracarense Porto Maia

O artista Porto Maia será tema de conversa de mais um Memórias de Braga que decorrerá no próximo sábado, 13 de Outubro, às 21h00 no Auditório da Junta de Freguesia de São Victor.

Para nos falar sobre este pintor bracarense são convidados o Eng. Jonio Porto Maia, Dr. Belo Marques e o Cónego Hermenegildo Faria, com a moderação a cargo do Dr. Ricardo Silva.
Esta sessão contará também com a exposição de alguns dos seus trabalhos.

Esta iniciativa dá sequência à pretensão da Braga + em recolher testemunhos e memórias bracarenses.
No “ciclo de memórias” cada conversa é informal e tem como objetivo a troca de conhecimentos entre o público e os convidados, partilhando-se as memórias que se querem vivas sobre as vivências da nossa cidade.

Entrada livre. Contamos com a presença de todos

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Debate: Qual o futuro para a Fábrica Confiança?



Debate: 27 de Setembro, 21h30, Auditório da Junta de Freguesia de S. Victor
Convidados: José Manuel Lopes Cordeiro (arqueologia industrial), José António Lameiras (urbanista) e Miguel Malheiro (APRUPP)

Reiterando a ideia anteriormente expressa, as entidades organizadoras não subscrevem a opção de venda do imóvel assumida pela Município. Existe o entendimento que é possível encontrar soluções que permitam a reabilitação do imóvel, para a fruição pública, dotando-o de serviços públicos e/ou equipamentos culturais. Tal não é possível se o imóvel deixar a esfera pública, sendo vendido a entidades privadas com fins lucrativos.

A estas preocupações junta-se uma outra relacionada com os termos em que a Câmara Municipal se propõe vender o imóvel.

O Caderno de Encargos, que apenas foi conhecido a minutos do início do último debate (14 de setembro), poderá não acautelar a salvaguarda dos elementos significativos existentes, desde os equipamentos, passando pelos padrões de circulação ou a distribuição das actividades da antiga Fábrica Confiança.

Como é sabido, todas as grandes unidades industriais de finais do séc. XIX e inícios do séc. XX de S. Victor foram demolidas, perdendo-se para sempre o património industrial de S. Victor e do concelho de Braga. Qualquer intervenção na Fábrica Confiança, como último exemplar dessa época, deve ser, por isso, reversível e respeitar o carácter histórico de uma das marcas mais conhecidas da indústria Portuguesa. O edifício transporta um simbolismo único e singular, factor de autenticidade e unicidade, algo que é valorizado nos ativos patrimoniais.

É, ainda, património da memória, como uma das Fábricas que garantiu o “saber fazer”, sendo o meio de subsistência de muitos agregados familiares, bem como objeto de muitas visitas escolares quando laborava.

A Braga +, a Jovem Coop, a Velha-a-Branca, com o apoio da Junta de Freguesia de S. Victor, promovem na próxima 5ª feira, dia 27 de Setembro, o debate “Qual o Futuro Para a Fábrica Confiança (2ª parte) - A venda a privados acautela o património industrial?”, que decorrerá às 21h30 no auditório da Junta de Freguesia.

O debate realiza-se dia 27, às 21h30, no auditório da Junta de S. Victor, convidando-se todos os interessados no património da Freguesia a assistir. O reforço da posição dos cidadãos ajudará a inverter este cenário de alienação de um importante testemunho da memória de S. Victor e de Braga.

Convidados:

José Manuel Lopes Cordeiro é licenciado e doutorado em História Contemporânea pela Universidade do Minho, onde exerce funções docentes. Foi fundador do Projecto do Museu da Indústria do Porto. É o Representante Nacional do TICCIH - The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage, organismo consultor da UNESCO/ICOMOS para o património industria,, e Presidente da APPI – Associação Portuguesa para o Património Industrial.

É também director da revista Arqueologia Industrial. Tem inúmeros artigos e livros publicados nas áreas do património e arqueologia industrial, assim como da história económica e política contemporânea.

José António Lameiras é licenciado em Engenharia Civil com a especialidade de Urbanismo, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, em 1977 e pós-Graduação em Direito do Ordenamento, Urbanismo e Ambiente, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, no ano de 1996/97. É docente na Universidade Católica e especialista em Instrumentos de Gestão Territorial, possuindo uma vasta experiência na elaboração de PDMs.

Miguel Malheiro é licenciado em arquitetura pela Universidade Lusíada e doutorado em arquitetura pela Universidad de Valladolid, é docente da Faculdade de Arquitectura e Artes da Universidade Lusíada do Porto desde 1994, exercendo ainda a profissão de arquiteto, tendo coordenado diversos projetos de reabilitação de património edificado, destacando-se o projeto de reabilitação da Igreja de São Mamede de Vila Verde. Desde 2018 integra a Direção da APRUPP [Associação Portuguesa para a reabilitação Urbana e Proteção do Património], associação que tem como fim promover e divulgar o conceito de reabilitação urbana como principal veículo para a salvaguarda da identidade e valorização do património construído, a redução das assimetrias sociais e a promoção da participação dos cidadãos. É autor de diversos artigos, comunicações e livros com especial enfoque nas temáticas da conservação, salvaguarda e valorização do património construído.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

A Pequenada nas Convertias



Com o intuito de sensibilizar as crianças para a defesa, preservação e divulgação do nosso património, a Braga+ volta a organizar uma atividadade para os mais novos, desta feita, associado às comemorações no Recolhimento de Santa Maria Madalena, normalmente conhecido como Casa das Convertidas.

Esta actividade que tem início às 15h00 deste sábado, dia 21 de Julho, no pátio deste edifício do período barroco, pretende através das próprias reproduções e exercícios práticos estimular a criatividade das crianças e despertar para o mundo do património.

Os pais também são convidados a participar e aproveitar para conhecer o interior e exterior deste complexo histórico e monumental. A participação é gratuita e não é necessária inscrição.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Visita Guiada às Convertidas



O Recolhimento de Santa Maria Madalena, normalmente conhecido como Casa das Convertidas por ter cumprido a função de recolhimento de "mulheres convertidas a Deus, arrependidas dos seus erros" foi instituído em 1722 pelo Arcebispo de Braga D. Rodrigo de Moura Teles, classificado em Novembro de 2012 como Imóvel de Interesse Público mas demora em ver dias mais felizes quanto à sua reabilitação e fruição.

Para que este belo monumento ainda desconhecido da maioria dos bracarenses não caia no esquecimentos e para relembrar a necessidade da sua reabilitação, a Braga Mais, no âmbito das comemorações do dia de Sta. Maria Madalena promovidas pela associação "Amigos das Convertidas" realiza uma visita guiada ao interior e exterior deste complexo com muita história e simbolismo e com uma riqueza arquitectónica do período barroco. Esta visita será orientada pelo historiador Rui Ferreira.

Todos os interessados deverão comparecer no próximo sábado, dia 21 de Julho, pelas 10h00 na entrada do edifício. A entrada é livre e não é necessária inscrição.

domingo, 17 de junho de 2018

Memórias de Braga: Carro dos Pastores



O próximo Memórias de Braga decorre na próxima quinta-feira dia 21 de Junho às 21h30 no Museu do Traje e está integrado no programa do São João de Braga 2018 e é dedicado ao Carro dos Pastores, uma tradição que sai às ruas a 24 de Junho e que vai passando de geração em geração, marcando para sempre todas as crianças que nele participaram.

Oradores: João Braz e Betinha Fernandes
Moderador: Rui Ferreira

No “ciclo de memórias” cada conversa é informal e cujo objetivo é a troca de conhecimentos entre o público e os convidados, partilhando-se as memórias que se querem vivas sobre as vivências da nossa cidade.

Sobre o Carro dos Pastores:

O Carro dos Pastores é uma tradição com origem provável no século XVIII, sendo uma típica representação teatral, posterior à fundação do teatro moderno. A sua préexistência, é citada na “Relação do Festivo Aplauso”, documento que descreve a constituição de uma grandiosa procissão em honra de São João Baptista no ano de 1754. Os diversos atos que compõem esta peça teatral, representada num carro forrado a cortiça e totalmente decorado com ervas e flores, referem-se ao nascimento de São João Baptista, o momento recordado pela liturgia deste dia. Neste palco sobre rodas, são representadas cenas bíblicas como o aparecimento do anjo a Zacarias que, conjuntamente com sua esposa Isabel, há muito desejava um filho, facto que se tornava cada vez mais utópico devido à idade avançada dos dois. O anjo anunciou e Zacarias não acreditou, ficando surdo e mudo até ao final do ato. O anjo volta a aparecer para anunciar o nascimento de São João que, sorridente, aparece “destapado” por uma placa metálica causando um burburinho na multidão que assiste. Mas toda a representação é marcada pelos cânticos e danças dos pastores, seis rapazes e seis raparigas, vestidos com trajes tradicionais e vistosos que dão indescritível brilho a esta representação. Os cajados decorados com fitas coloridas e as pandeiretas completam o quadro pastoril. Os anjos que vão aparecendo sobre uma nuvem, que vai subindo e descendo conforme a cena a representar, confere igualmente um toque de grande originalidade e engenho a este auto. Outrora puxado por duas juntas de bois, tradição recuperada parcialmente nos últimos anos, o carro dos Pastores vai circulando pelas ruas da cidade, desde as 09h00 até 16h00, em conjunto com o Carro do Rei David e o Carro das Ervas, sendo sem dúvida a mais bela e elegante alegoria ao São João, conservada como memória viva da Sagrada Escritura.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

À descoberta do património de São Vicente

No próximo sábado dia 12 de Maio a Braga+ vai realizar em parceria com Associação Cultural Francisco Sá de Miranda, na celebração dos seus 20 anos, um percurso pelo património da freguesia de São Vicente.

O percurso terá início na Praça Mouzinho de Albuquerque (Campo Novo) pelas 09h30 e contemplará visita à Igreja de S. Vicente, Miradouro de Guadalupe, Fonte do Mundo, capela de Nossa Senhora do Pilar e termina no Liceu Sá de Miranda. Este roteiro pela Freguesia de São Vicente contará com Rui Ferreira como guia.

A participação é gratuita, aberta ao público e geral e não necessita de inscrição.

domingo, 22 de abril de 2018

+Património: Passeio Convívio em Trás-os-Montes



A Braga + promove no próximo dia 1 de Maio mais uma edição do passeio convívio, desta vez propondo um dia em Trás-os-Montes. O ponto de encontro será às 09h00, junto ao Pópulo. A viagem será feita de autocarro, sendo que o regresso deverá acontecer pelas 18h00. 

Com o objetivo de dar a conhecer uma das rotas com maior vinculação ao quotidiano bracarense, o percurso contará com paragens e visitas guiadas por Pitões das Júnias e Chaves. Para além de comida fácil de transportar, os participantes deverão levar roupa e calçado adequado, uma vez que estão previstos alguns percursos a pé durante o dia, nomeadamente o trilho de Pitões das Júnias.

Excecionalmente vamos cobrar a participação neste percurso com o objetivo de cobrir as despesas com o transporte. Nesse sentido, durante a viagem será pedida a contribuição de 2€ aos associados e 4€ aos não associados.

A inscrição deverá ser efetuada através do email associacaobragamais@gmail.com ou mensagem privada no facebook. Os associados da Braga + têm prioridade na inscrição.

domingo, 15 de abril de 2018

Memórias de Braga: Abel Mendes


Braga + recorda pintor bracarense Abel Mendes

O artista Abel Mendes - Pai será tema de conversa de mais um Memórias de Braga que decorrerá na próxima quinta-feira, 19 de Abril, às 21h30 no Auditório da Junta de Freguesia de São Victor.

Para nos falar sobre este pintor bacarense são convidados Rui Mendes e Maria do Nascimento, com a moderação a cargo de Rui Ferreira.
Esta sessão contará também com a exposição de alguns dos seus trabalhos.

Esta iniciativa dá sequência à pretensão da Braga + em recolher testemunhos e memórias bracarenses.
No “ciclo de memórias” cada conversa é informal e tem como objetivo a troca de conhecimentos entre o público e os convidados, partilhando-se as memórias que se querem vivas sobre as vivências da nossa cidade.


Entrada livre. Contamos com a presença de todos

quinta-feira, 22 de março de 2018

+Património: Os Passos dos Passos - Visita Guiada



A associação Braga+ organiza, no próximo sábado, dia 24 de Março, mais um percurso pelo património bracarense, desta feita para a história da Procissão dos Passos, um dos cerimoniais mais marcantes da Semana Santa de Braga.

Este percurso cultural intitulado “Os Passos dos Passos”, tem início marcado para as 10h00 na Igreja do Pópulo. No mesmo dia em que se inicia esta ancestral prática bracarense, a Braga +, em colaboração com a Irmandade de Santa Cruz e a Paróquia da Sé, pretende ajudar a compreender a primeira grande procissão das solenidades bracarenses.

Aproximando-se a Semana Santa, data significativa no âmbito das manifestações culturais e religiosas na cidade de Braga, torna-se pertinente abordar uma das mais relevantes procissões que se costumam realizar. A Procissão dos Passos foi introduzida em Braga no ano de 1597 pelo Arcebispo D. Frei Agostinho de Jesus, sendo plausivelmente a segundo mais antiga do género em Portugal. Tendo como epicentro quatro templos distintos, realiza-se hoje a partir da Igreja de Santa Cruz, detendo ainda etapas intermédias espalhadas pelo centro histórico.

Chegou a ser percorrida por uma multidão de flagelantes e penitentes, que obrigou à intervenção do próprio Arcebispo, sendo ainda foco de paródia com a célebre travessia da Enfiada. Também a imagem do Senhor dos Passos já não é a mesma que presidia à procissão no início.

Esta e muitas outras histórias poderão ser conhecidas num percurso que irá percorrer os espaços fundamentais deste cerimonial ao longo de duas horas. A orientação será da responsabilidade de Rui Ferreira.

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Memórias de Braga: "O Nosso Café"





Braga + recorda  "O Nosso Café"

O "O Nosso Cafe, inaugurado a 15 de Fevereiro de 1951 no início da Avenida da Liberdade no edifício onde se situava a garagem Auto-Palace, será tema de conversa de mais um Memórias de Braga que decorrerá na próxima quarta-feira dia 28 de Fevereiro, às 21h30 no Auditório do Museu do Traje Dr. Gonçalo Sampaio.

Para recordar o seu surgimento, história, conceito e impacto na vida da urbe bracarense são convidados Francisco Mesquita e Evandro Lopes, com a moderação a cargo de Rui Ferreira.
Nesta sessão, a Delta Cafés oferecerá um café a todos os presentes.

Esta iniciativa dá sequência à pretensão da Braga + em recolher testemunhos e memórias bracarenses.
No “ciclo de memórias” cada conversa é informal e tem como objetivo a troca de conhecimentos entre o público e os convidados, partilhando-se as memórias que se querem vivas sobre as vivências da nossa cidade.

Entrada livre. Contamos com a presença de todos.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

+Património: Visita guiada ao Núcleo Interpretativo da História de Braga



A associação Braga + regressa à Torre de Menagem, onde nasceu há mais de cinco anos, para uma visita guiada ao núcleo interpretativo da história de Braga, ali instalado desde dezembro. Esta iniciativa, agendada para sábado, 17 de fevereiro, pelas 10h30, vai ser orientada por Rui Ferreira e está aberta à participação dos associados e demais interessados.

A exposição, intitulada ‘Era uma vez uma Cidade’, propõe uma versão ilustrada da história, protagonistas e evolução urbana de Braga, através do talento esclarecido do bracarense César Figueiredo. Este é o primeiro projeto em Portugal que integra ilustração histórico-arqueológica, desenho, infografia 3D, maquetas e espólio arqueológico numa viagem de mais de dois milénios sobre a história da cidade de Braga. Mais de oitenta ilustrações, distribuídas ao longo de quatro pisos, vão permitir um inédito percurso pelos dois mil anos de história da Cidade de Braga. A elaboração dos conteúdos contou com a colaboração de uma dezena de investigadores, além do apoio logístico do Museu D. Diogo de Sousa e do Museu Pio XII. 

Recorde-se que a Braga + sempre pugnou para que a Torre de Menagem pudesse integrar um futuro Museu da Cidade, um sonho assumido desde a fundação da associação. A participação nesta visita é gratuita e não necessita de inscrição.