segunda-feira, 12 de dezembro de 2022

+ PATRIMÓNIO: Percurso Solidário Natalício pela Cidadela Medieval

As associações Braga + e JovemCoop organizam, no próximo sábado, dia 17 de Dezembro, mais um percurso pelo património bracarense, desta feita pelos vestígios da Cidadela Medieval

Esta iniciativa, que tem um cariz solidário, tem início marcado para as 10h00, no Arco da Porta Nova.

O objetivo desta visita guiada é percorrer todas as oito portas e torreões que constituíam o perímetro medieval bracarense, que contava com sensivelmente 1.300 metros de comprimento. O castelo de Braga e os panos de muralha ainda subsistentes serão também abordados durante esta visita.

O percurso vai contar ainda com passagens junto à Torre de Menagem, Torre da Porta Nova e antigo Paço dos Arcebispos. Integrado no programa desta manhã cultural está também a visita ao pelourinho de Braga, o monumento nacional mais desconhecido dos bracarenses.

Esta iniciativa tem um teor solidário, já que os participantes são convidados a trazer garrafas de azeite, que serão posteriormente doadas à Comissão Social de S. Victor com o intuito de compor os cabazes de Natal que são entregues às famílias mais carenciadas. Trata-se de uma forma das associações se agregarem à Missão Põe Azeite 2022 que tem sido levada a cabo pelo Grupo Coral de Guadalupe.

Quem não puder participar, poderá também contribuir com uma garrafa de azeite, entregando na Junta de Freguesia de São Victor ou entrando em contacto com a JovemCoop, que se disponibiliza para fazer a recolha. Também poderá contribuir através de MBWay (91934796), considerando o valor de 1 garrafa de azeite igual a 3 euros.

Contando com a colaboração da Junta de Freguesia de São Victor e da União de Freguesias de São Lázaro e São João do Souto, a participação neste percurso solidário é livre, não necessitando de inscrição prévia.

segunda-feira, 7 de novembro de 2022

MEMÓRIAS DE BRAGA: Júlio d'Amorim Lima

 

Associação Braga + promove no próxima quarta-feira, dia 9 de novembro, pelas 21h00, mais uma sessão do ciclo Memórias de Braga, que se vai debruçar sobre o benemérito bracarense Júlio d’Amorim Lima.

Esta sessão evocativa, que se realiza no auditório da Escola Secundária Sá de Miranda, terá como convidados os investigadores bracarenses Domingos AlvesRui Ferreira, contando com a participação e colaboração do grupo informal dos Amigos do Palacete Júlio de Lima.

Todas as comunidades exibem os seus beneméritos, personalidades de singulares méritos, que deixaram a sua ação gravada na posteridade. Também a cidade de Braga patenteia um significativo rol de ínclitas personalidades, cujo nome jamais poderá cair no ingrato oblívio do tempo. Um desses nomes é inevitavelmente o de Júlio d’Amorim Lima.

Reconhecido, no seu tempo, como benemérito, “na aceção mais grandiosa do termo”, seria considerado pelos bracarenses como “benemérito dos pobres”, a quem socorria largamente e, particularmente, como “benemérito de Braga”, tendo-se associado aos grandes projetos que a cidade emanava e também a muitas das suas instituições.

Sensivelmente a meio da rua de S. Vicente vemos surgir uma imponente rua, batizada com o nome do seu mentor: Júlio d’Amorim Lima. Após construir a sua residência nos alvores do século XX, atualmente em estado de degradação, o abastado industrial projetou abrir a uma rua defronte da sua casa. 

Tanto o seu palacete, como a nova artéria foram desenhados integralmente pelo arquiteto Moura Coutinho. Os edifícios do lado poente, mais adornados e imponentes, datam dos primeiros anos da década de 1920. Por sua vez, as edificações do lado oposto foram construídas na década seguinte, tendo sido malogradamente destruídos em 2020.

Recorde-se que o ciclo Memórias de Braga realiza-se, com constância bimestral. Cada conversa, que se quer informal, anda à volta de um ou mais convidados. O objetivo é mesmo o de conversar, público e convidados, no sentido de partilhar e construir memórias sobre a cidade.

segunda-feira, 10 de outubro de 2022

+ PATRIMÓNIO: Visita Guiada às Portas de Braga

 


A Associação Braga Mais organiza, na manhã do próximo sábado, dia 15 de outubro, uma visita guiada às Portas de Braga. Esta iniciativa, que se integra nas comemorações do 10.º aniversário da associação, tem como ponto de partida o Arco da Porta Nova, pelas 10h00.

O objetivo desta iniciativa é, não apenas explorar a temática das portas na identidade bracarense, mas percorrer as portas mais emblemáticas do património cultural da cidade de Braga, como é o caso da românica Porta do Sol, da antiga porta da Capela de Santana, da porta desenhada por André Soares para a Igreja da Ordem Terceira ou da única porta das muralhas medievais ainda subsistente, embora dissimulada no torreão onde se integra.

Este percurso temático conta também com passagens por uma inédita porta desenhada por Moura Coutinho na tua dos Capelistas e também pela porta de um dos muitos sacrários dos templos bracarenses, que poderá ser vislumbrada no Recolhimento das Convertidas, que se destaca pela peculiaridade da sua iconografia.

Esta visita guiada será complementada com uma exposição de fotografias da autoria de Diogo Vieira, que decorrerá no auditório da Junta de Freguesia de São Victor, cuja inauguração está prevista para o final da visita guiada.

O objetivo do projeto “Portas de Braga”, no qual poderão vir a inserir-se outras iniciativas, é alertas os bracarenses para a valia patrimonial das suas portas, não apenas as mais emblemáticas ou monumentais, mas principalmente os elementos em ferro forjado e vidro, frequentemente desperdiçados em obras de reconstrução ou reabilitação.

No final desta iniciativa terá lugar um almoço de confraternização, assinalando o 10.º aniversário da Braga Mais, no restaurante Relento. Quem pretender inscrever-se pode fazê-lo através do email associacaobragamais@gmail.com até ao dia 12 de outubro.

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

MEMÓRIAS DE BRAGA: Rádios Piratas de Braga

 


A Associação Braga + promove no próximo dia 23 de setembro, pelas 21h30, mais uma sessão do ciclo Memórias de Braga, que se vai debruçar sobre as Rádios Piratas de Braga.

Esta sessão evocativa, que se realiza na Junta de Freguesia de São Victor, terá como convidados Secundino Cunha, Paulo SousaTony R. A moderação estará a cargo de Rui Ferreira.

As primeiras experiências de radiodifusão foram realizadas por Marconi em 1894, remontando a 1923 a sua introdução em Portugal, com a Sociedade Portuguesa de Amadores de Telefonia sem Fio.

O historial das rádios na cidade de Braga é vasto, nomeadamente após a liberalização das emissões a partir de 1974. Além dos rádios piratas, nos anais bracarenses contam-se a Rádio Baixo (1985), a Rádio 2000 (1985), Rádio Braga (1985), a Rádio Tadim (1986), a Rádio Planeta, Rádio São Mamede (1986), a Rádio Universitária (1989), a Rádio Clube do Minho (1986) e a Rádio Televisão do Minho (1987). Funcionando inicialmente com um locutor amador, dois pratos, uma pequena mesa de mistura, gravador/leitor de cassetes, telefone, estas rádios foram a escola que criou muitos profissionais que hoje estão nas grandes estações da rede nacional.

Recorde-se que o ciclo “Memórias de Braga” realiza-se, com constância bimestral. Cada conversa, que se quer informal, anda à volta de um ou mais convidados. O objetivo é mesmo o de conversar, público e convidados, no sentido de partilhar e construir memórias sobre a cidade.

segunda-feira, 16 de maio de 2022

+ PATRIMÓNIO: Visita Guiada ao Convento dos Remédios

 


A associação Braga Mais, juntamente com a Doçaria da Cruz de Pedra, organiza, no próximo sábado, dia 21 de maio, uma visita guiada ao extinto Convento dos Remédios, monumento demolido entre 1908 e 1911 pela Câmara Municipal de Braga, que vai ser revisitado a partir de um percurso pelo seu espólio, disperso por alguns locais da cidade.

Esta iniciativa, que se associa às comemorações do centenário daquela pastelaria bracarense e conta com a colaboração do Ponto Braguez, tem o seu ponto de encontro a partir das 14h30, junto à Igreja do Pópulo, sendo orientada por Rui Ferreira.

O objetivo desta visita guiada é compreender a história do mais antigo edifício conventual de Braga, bem como a sua polémica demolição no início do século passado. Para além disso, vai permitir identificar uma parte do espólio deste convento, que se encontra disperso por alguns locais da cidade de Braga, alertando a população para a importância de valorizar o espólio e a memória deste malogrado monumento.

O percurso inclui passagens pelo Jardim de Santa Bárbara, onde, além da fonte, se encontram alguns elementos da fachada; e pelo Largo Carlos Amarante, onde vai ser feita a contextualização histórica deste monumento.

Esta iniciativa termina no Parque da Ponte, onde se encontra a maior parte dos elementos da fachada do templo conventual. No final da visita, os participantes serão ainda brindados com uma surpresa, que evocará a doçaria do Convento dos Remédios.

A participação é livre, não necessitando de inscrição prévia.

domingo, 27 de março de 2022

+ CIDADANIA: Não deixar morrer o Lausperene Quaresmal

 


O Lausperene Quaresmal, delimitado pela Quarta-Feira de Cinzas e pela Quinta-Feira Santa, é uma das mais peculiares práticas devocionais da cidade de Braga. Anualmente replicado num itinerário com vinte e três etapas agendadas nos principais e mais emblemáticos templos da zona urbana, é uma prática que já ultrapassou os três séculos de existência. Esta prática nasceu por iniciativa do Arcebispo D. Rodrigo de Moura Telles em 1710 e desde aí nunca mais cessou de marcar presença no quotidiano dos bracarenses.

Para os cristãos bracarenses, esta é uma altura especial do ano, e para as paróquias e confrarias responsáveis pelos templos também se torna um momento privilegiado. As igrejas são decoradas primorosamente com flores, velas e monumentais cortinas, contrastando com a austeridade que os cânones litúrgicos aconselham por estes tempos quaresmais.

O trono eucarístico, habitualmente localizado ao centro do altar-mor, continua a ser o lugar por excelência da adoração eucarística. A porta principal da igreja é vedada com uma enorme cortina púrpura e, junto à entrada da mesma, acolhem-se as habituais “rebuçadeiras”, que têm o ofício de tentar os fiéis com os tradicionais “rebuçados do Senhor” embrulhados em papéis multicolores.

                As tribunas continuam a ser o lugar preferencial para a realização do Lausperene Quaresmal, facto que permite a valorização do património artístico habitualmente vedado por telas ou cortinas. A sua conjugação com outros elementos decorativos – castiçais, damascos, grinaldas, flores – torna o cenário singular. Esta tradição bracarense, impregnada de um âmbito religioso e devocional, também integra uma perspetiva estética, dado que as igrejas da cidade adquirem uma particular beleza durante os dias em que são “visitadas” pelo Lausperene Quaresmal. Entre flores e castiçais, cortinas e luminosidade, muitos templos continuam a optar pela exposição eucarística nas tradicionais tribunas que, em muitos casos, só são exibidas ao público nesta altura do ano. Por isso mesmo, dando seguimento ao desejo de valorização do património cultural, deveremos promover a utilização das tribunas durante o Lausperene Quaresmal, ato que, não apenas protege essas estruturas de uma progressiva deterioração, mas também respeita a genuinidade de uma prática devocional com mais de três séculos de existência.

Recorde-se que no “Ritual Romano para a Sagrada Comunhão e Culto do Mistério Eucarístico fora da Missa”, se refere a este propósito que “se a exposição se prolongar por bastante tempo, e no caso de se usar a custódia, pode utilizar-se um trono colocado em lugar mais elevado”. Esta recomendação não exclui a utilização do trono, apenas desaconselha caso “seja demasiado alto e distante”. Devido a uma interpretação literal desta recomendação, ou por outras motivações, alguns templos acabaram por abandonar a utilização das tribunas durante o Lausperene Quaresmal, facto que retira a peculiaridade a esta prática devocional. Aliás, no ponto 86 do mesmo documento se refere que “nas igrejas e oratórios em que se conserva a Eucaristia, recomenda-se que se faça todos os anos uma exposição solene do Santíssimo Sacramento prolongada por algum tempo”, ou seja, recomenda-se que, pelo menos uma vez no ano, a exposição eucarística se faça com maior solenidade do que as práticas devocionais que se costumam realizar ordinariamente. Esta exortação vai de encontro ao costume enraizado nas igrejas da cidade de Braga desde 1710.

Como não nos deixarmos impressionar pela primorosa tribuna do retábulo-mor da Igreja de Santa Cruz, saída da inspiração de Frei José Vilaça, e que apenas nestes dois dias se pode admirar no seu particular aparato? Ou então as singelas, mas tão características, tribunas guardadas ao centro do altar-mor da Penha de França ou do Salvador cujo adorno especificamente realizado para o Lausperene Quaresmal nos permite valorizar o património ali exposto? E como seria se templos de grandes dimensões como o Carmo, Congregados ou S. Victor retomassem o seu “Lausperene” nas tão proeminentes tribunas que ocupam o centro das respetivas capelas-mores?

Além de um exercício piedoso, o Lausperene Quaresmal é uma manifestação cultural que potencia a valorização do património móvel e monumental. Como pode a Igreja Católica, num tempo de aggiornamento, em que se propõe abrir as portas à sociedade e ao diálogo com a cultura, fechar as portas a uma oportunidade rara de convocar a população para os seus templos, contribuindo igualmente para deteriorar uma tradição com três séculos de existência?

 

 

Rui Ferreira

Presidente da Direção da Braga Mais

terça-feira, 1 de março de 2022

MEMÓRIAS DE BRAGA: Adelina Caravana

 

Braga + promove no próximo sábado, dia 5 de março, pelas 21h00, mais uma sessão do ciclo Memórias de Braga, que se vai debruçar sobre a vida e legado de Maria Adelina Caravana, a fundadora do Conservatório de Música de Braga.

O Conservatório de Música de Braga foi criado por sua iniciativa no dia 7 de novembro de 1961, contando uma década depois, com instalações patrocinadas pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Esta sessão evocativa, que se realiza no Salão Nobre do Edifício dos Congregados, terá como convidados Carlos Alberto Pereira, ex-diretor do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, e Nuno Rigaud de Sousa, filho da homenageada.

A sessão conta também com uma intervenção de Miguel Simões, investigador da Escola de Música da Universidade do Minho, subordinada ao tema "Criar uma escola de música em Braga: um desejo concretizado de Maria Adelina Caravana". A moderação estará a cargo de Rui Ferreira.

Esta iniciativa contará com um momento musical, no qual vai ser interpretada a “Suite nº2 per pianoforte Solo Post- Mortem” da autoria de João-Heitor Rigaud (1956-2022), tocada ao piano por Pedro Teixeira.

Esta obra foi estreada pelo pianista Luís Pipa num concerto de homenagem realizado no I Encontro de História do Ensino da Música em Portugal, em 1999, na Universidade do Minho. A Suite nº 2 foi composta em Genebra, em 1981, quando o compositor concluía o primeiro ano de frequência do curso de composição do Conservatório Superior de Música desta cidade suíça, sendo exemplo da evolução técnica e aprofundamento estilístico resultante da formação académica em composição que terminaria dois anos mais tarde com distinção e louvor.

Como vem sendo habitual, durante a sessão estará exposta uma pequena mostra de documentos e fotografias recolhidos por Fernando Mendes, que complementam a informação que será abordada nesta sessão.

Esta iniciativa realizou-se com a colaboração da Professora Elisa Lessa e conta com o apoio da Universidade do Minho.

Recorde-se que o ciclo “Memórias de Braga” realiza-se, com constância bimestral. Cada conversa, que se quer informal, anda à volta de um ou mais convidados. O objetivo é mesmo o de conversar, público e convidado, no sentido de partilhar e construir memórias sobre a cidade.